quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Artigos em jornais e mídia eletrônica - Marco Milani



Coletânea de artigos em jornais e mídia eletrônica - Marco Milani

Nova oposição, velhos ardis
(Correio Popular –24/05/16 – p. A2)

Juros e fantasias econômicas
(Correio Popular –25/04/16 – p. A2)

Virtude Falaciosa
(Correio Popular –10/12/15 – p. A2)

Oswaldo Cruz e o Mercado
(Correio Popular –2/10/15 – p. A2)

A tragédia que não é só grega
(Correio Popular –2/7/15 – p. A2)

A Elite Pensante
(Correio Popular –20/3/15 – p. A2)

Novos Salários, Algumas Questões
(Contexto – 13/2/15 – mídia digital)

Choques e Tolerância
(Correio Popular –9/2/15 – p. A2)

Porto de Muriel é Cubano
(Correio Popular –22/12/14 – p. A2)

Falácias e Futuro
(Folha de São Paulo – 3/12/14 – edição digital)

O Monopólio das Virtudes
(Correio Popular – 10/11/14 – p. A2)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Virtude Falaciosa


(texto publicado no jornal Correio Popular - Campinas - em 10/12/15 - p.A2)

Virtude falaciosa

Marco Milani*

A crise econômica não começou agora. Apenas ficaram mais evidentes os efeitos nocivos da desastrada e ideologizada condução da economia brasileira nos últimos anos.
Aos dados estatísticos que comprovam o aumento do desemprego, a alta inflacionária, a elevação das taxas de juros e a queda constante do Produto Interno Bruto, soma-se a instabilidade política marcada por escândalos de corrupção e favorecimento governista.
Como se não bastasse a constatação da inabilidade na formulação de políticas econômicas eficazes, a tentativa de se reverter este quadro recessivo enfrenta a resistência de integrantes do próprio governo, pois consideram que a redução de gastos públicos não resolverá o problema. Ora, sem equilíbrio fiscal não há economia que se sustente no longo prazo e, mesmo assim, adeptos de anacrônicas cartilhas vermelhas insistem em ignorar a realidade em nome de utopias.
Não é por acaso que a capacidade do Brasil em atrair investimentos externos também vem sendo questionada devido ao seu risco de inadimplência. Como consequência, os títulos brasileiros lançados no mercado internacional tendem a pagar taxas maiores para que consigam captar novos recursos, agravando o nível de endividamento.
No momento, toda a atenção presidencial está voltada ao pedido de impeachment elaborado, inclusive, por um dos fundadores do PT, o jurista Hélio Bicudo. Essa situação faz com que os esforços governistas sejam para se manter no poder, deixando para segundo plano o futuro econômico do país.
Diferentemente da posição adotada nos pedidos de impeachment que o próprio partido da presidente tomou parte contra governantes do passado, como Fernando Collor, agora Dilma Rousseff é quem tem que se defender e a estratégia adotada para a persuasão pública é o discurso de que se trata de um golpe político, ainda que previsto constitucionalmente.
Um dos principais motes de Hélio Bicudo é o crime de responsabilidade fiscal, evidenciado nos casos em que houve o financiamento direto do governo por bancos públicos.
A justificativa da presidente para o crime fiscal é de que necessitava desembolsar as transferências para programas sociais. Mas se faltou dinheiro para esses pagamentos foi porque ele foi gasto em outras coisas, não é mesmo? Assim, não se trata de uma justificativa virtuosa, porém uma demonstração de planejamento incorreto e uso ineficiente e irresponsável de recursos. Mais uma vez a relevância orçamentária vem à tona e corrobora com a urgência de que esse assunto não seja tratado como simples ajuste técnico de planilhas.    
O futuro econômico deste país depende, dentre outras variáveis, da seriedade com que o orçamento público seja construído seguindo-se a noção básica de que só se deve gastar aquilo que se tem. Que falácias ideológicas e o desculpismo oportunista deixem de servir de base para crimes fiscais.

* Economista. Pós-doutor pela Universidade de Salamanca (Espanha). Professor da Unicamp.


quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Comentários sobre o ótimo livro "The liberal mind"


O psiquiatra Lyle Rossiter nos comprova que o esquerdismo é uma doença mental

Texto extraído da página “Não deixe que um professor comunista adote o seu filho”

Geralmente vemos esquerdistas se referirem a quem é da direita como um “louco da direita”, e daí por diante. O problema é que a crença da direita é coerente até com o que a teoria da evolução tem a nos dizer. Enquanto isso, a crença esquerdista é baseada em quê? É isso que começamos a investigar de uma forma mais clínica a partir do livro The Liberal Mind: The Psychological Causes of Political Madness, de Lyle Rossiter, lançado em 2011.
Conforme a review da Amazon, já notamos a paulada que será dada nos esquerdistas:
Liberal Mind traz o primeiro exame profundo da loucura política mais relevante em nosso tempo: os esforços da esquerda radical para regular as pessoas desde o berço até o túmulo. Para salvar-nos de nossas vidas turbulentas, a agenda esquerdista recomenda a negação da responsabilidade pessoal, incentiva a auto-piedade e outro-comiseração, promove a dependência do governo, assim como a indulgência sexual, racionaliza a violência, pede desculpas pela obrigação financeira, justifica o roubo, ignora a grosseria, prescreve reclamação e imputação de culpa, denigre o matrimônio e a família, legaliza todos os abortos, desafia a tradição social e religiosa, declara a injustiça da desigualdade, e se rebela contra os deveres da cidadania. Através de direitos múltiplos para bens, serviços e status social não adquiridos, o político de esquerda promete garantir o bem-estar material de todos, fornecendo saúde para todos, protegendo a auto-estima de todos, corrigindo todas as desvantagens sociais e políticas, educando cada cidadão, assim como eliminando todas as distinções de classe. O esquerdismo radical, assim, ataca os fundamentos da liberdade civilizada. Dadas as suas metas irracionais, métodos coercitivos e fracassos históricos, juntamente aos seus efeitos perversos sobre o desenvolvimento do caráter, não pode haver dúvida da loucura contida na agenda radical. Só uma agenda irracional defenderia uma destruição sistemática dos fundamentos que garantem a liberdade organizada. Apenas um homem irracional iria desejar o Estado decidindo sua vida por ele, ao invés e criar condições de segurança para ele poder executar sua própria vida. Só uma agenda irracional tentaria deliberadamente prejudicar o crescimento do cidadão em direção à competência, através da adoção dele pelo Estado. Apenas o pensamento irracional trocaria a liberdade individual pela coerção do governo, sacrificando o orgulho da auto-suficiência para a dependência do bem-estar. Só um louco iria visualizar uma comunidade de pessoas livres cooperando e ver nela uma sociedade de vítimas exploradas pelos vilões.
O que temos aqui, na obra de Rossiter, é o tratamento do esquerdismo de forma clínica, por um psiquiatra forense. (Um pouco mais no site do autor do livro, e um pouco mais sobre sua prática profissional)
O modelo de mente esquerdista
O livro é bastante analítico, e, por vezes, até chato de se ler. Quem está acostumado a livros de fácil leitura de autores conservadores de direita, como Glenn Beck e Ann Coulter, pode até se incomodar. Outro livro que fala do mesmo tema é Liberalism Is a Mental Disorder: Savage Solution, de Michael Savage. Mas o livro de Savage é também uma leitura informal, embora séria. O livro de Rossiter é acadêmico, de leitura até difícil, sem muitas concessões comerciais, e de um rigor analítico simplesmente impressionante. Se não é sua leitura típica para curar insônia, ao menos o conteúdo poderoso compensa o tratamento seco e acadêmico dado ao tema.
Segundo Rossiter, a mente esquerdista tem um padrão, que se reflete tanto em um padrão comportamental, quanto um padrão de crenças e alegações. Portanto, é possível “modelar” a mente do esquerdista a partir de uma série de padrões. A partir daí, Rossiter investiga uma larga base de conhecimento de desordens de personalidade, e usa-as para modelar os padrões de comportamento dos esquerdistas. Segundo Rossiter, basta observar o comportamento de um esquerdista, mapear suas crenças e ações, e compará-los com os dados científicos a respeito de algumas patologias da mente. A mente esquerdista pode ser classificada como um distúrbio de personalidade por que as crenças e ações resultantes deste tipo de mentalidade se encaixam com exatidão no modelo psiquiátrico do distúrbio de personalidade. As análises de Rossiter são feitas tanto nos contextos individuais (a crença do cidadão esquerdista em relação ao mundo), como nos contextos corporativos (ação de grupo, endosso a políticos profissionais, etc.).
Rossiter nos lembra que a personalidade é socializada pelos pais e pela família, como uma parte do desenvolvimento infantil. Mesmo com a influência do ambiente escolar, são os pais que preparam a criança para o futuro. A partir disso, ele avalia o que é um desenvolvimento sadio, para desenvolver uma personalidade apta a viver em um mundo orientado a valorização da competência, dentro do qual essa personalidade deverá reagir. Uma personalidade sadia reagiria bem a esse mundo já sem a presença dos pais, enquanto uma personalidade com distúrbio não conseguiria o mesmo sucesso. Em cima disso, Rossiter avalia a personalidade desenvolvida com os itens da agenda esquerdista, demonstrando que muitos itens dessa agenda estão em oposição ao desenvolvimento sadio da personalidade.
Para o seu trabalho, Rossiter classifica os esquerdistas em dois tipos: benignos e radicais. Os radicais são aqueles cujas ações (agenda) causam dano a outros indivíduos. De qualquer forma, os esquerdistas benignos (seriam os moderados) dão sustentação aos esquerdistas radicais.
Rossiter define o homem como uma fonte autônoma de ação, ao mesmo tempo em que está envolvido em relações, como as econômicas, sociais e políticas. Isto é definido por Rossiter como a Natureza Bipolar do Homem, pois mesmo que ele seja capaz de ação independente, também é restrito pelo contexto social, na cooperação com os outros. A partir dessa constatação, tudo o mais flui. Para permitir que o homem seja capaz de operar com sucesso em seu ambiente natural, deve existir um desenvolvimento adequado da personalidade. Este desenvolvimento da personalidade surge a partir dos outros, idealmente a mãe e a família.
Outro ponto central: toda a análise de Rossiter é feita no contexto de uma sociedade livre, não de uma sociedade totalitária. Portanto, ele avalia o quão alguém é sadio em termos de personalidade para viver em uma sociedade democrática, e não em uma sociedade formalmente totalitária, como Coréia do Norte, Cuba ou China, por exemplo.
Competência em uma sociedade livre
Fica claro que não devemos esperar de Rossiter avaliação sobre um modelo de personalidade para toda e qualquer sociedade, pois ele é bem claro em seu intuito: desenvolver e estudar personalidades competentes para a vida em uma sociedade livre. A manutenção de tal sociedade requer regras para existir, que devem ser codificadas em leis, hipóteses, assim como regras do senso comum.
Nesse contexto, as habilidades a seguir são aquelas de um adulto competente em uma sociedade com liberdade organizada:
Iniciativa – Fazer as coisas acontecerem.
Atuação – Agir com propósito.
Autonomia – Agir independentemente.
Soberania-  Viver independentemente, através da tomada de decisão competente.
Rossiter define os direitos naturais do homem, para uma pessoa adulta vivendo em uma sociedade de liberdade organizada. Estes compreendem o exercício, conforme qualquer um escolher, das habilidades selecionadas acima, todas elas sujeitas às restrições necessárias para uma sociedade com paz e ordem. Assim, direitos naturais resultam da combinação de natureza humana e liberdade humana. Natureza humana significa viver como alguém quiser, sujeito as restrições necessárias para paz e ordem.
Considerando estes atributos humanos, Rossiter define como uma ordem social adequada, aquela que possui os seguintes aspectos:
Honra a soberania do indivíduo
Respeita a liberdade do indivíduo.
Respeita a posse de propriedade e integridade dos contratos.
Respeita o princípio da igualdade sob a lei.
Requer limites constitucionais, para evitar que o governo viole os direitos naturais.
Os aspectos acima são avaliados na perspectiva do indivíduo, não de grupos ou classes, em um processo relacionado à individuação, conceito originado em Jung. Neste processo, o ser humano evolui de um estado infantil de identificação para um estado de maior diferenciação, o que implicará necessariamente em uma ampliação da consciência. A partir daí, surge cada vez mais o conhecimento de si-mesmo, em detrimento das influências externas. Eventuais resistências à individuação são causas de sofrimento e distúrbios psiquícos.
Segundo Rossiter, o indivíduo adulto que passou adequadamente pelo processo de individuação assume de forma coerente seu direito a vida, liberdade e busca da felicidade. Mesmo assim, isso não significa que ele pode fazer o que quiser, pois deve respeitar o individualismo dos outros e interagir com eles através da cooperação voluntária. Assim, o individualismo deve ser associado com mutualidade, para o desenvolvimento de um adulto competente para viver em uma sociedade de liberdade organizada.
Rossiter estuda com afinco as características de desenvolvimento do invidíduo, de acordo com regras pelas quais ele pode viver em uma sociedade de liberdade organizada, e lista sete direitos individuais do cidadão comum, dentro dos quais ele pode exercitar sua autonomia, livre da interferência do governo:
Direito de auto-propriedade (autonomia)
Direito de primeira posse (para controlar propriedade que não tenha sido de posse de ninguém antes)
Direito de posse e troca (manter, trocar ou comercializar)
Direito de auto-defesa (proteção de si próprio e da proriedade)
Direito de compensação justa pela retirada (a partir do governo)
Direito a acesso limitado (a propriedade dos outros em emergências)
Direito a restituição (por danos a si próprio ou propriedade)
Estes são normalmente chamados de direitos naturais, direitos de liberdade ou direitos negativos. O governo deve ser estruturado para proteger estes direitos, e precisa ser estruturado de forma que não infrinja-os.  A obrigação do governo em uma sociedade de liberdade organizada envolve implementar e sustentar estas regras para proteger o cidadão de infrações cometidas tanto por outros como pelo próprio governo.
Eis que surge o problema da mente esquerdista, que quer atacar basicamente todos os pilares acima. Em cima disso, Rossiter levanta as crenças da mente esquerdista, que, juntas, dão um fundamento do modelo da mente deles:
Modelos sociais ideais tradicionais estão ultrapassados e não se aplicam mais.
A direção do governo é melhor do que ter os cidadãos tomando conta de si próprios.
A melhor fundação política de uma sociedade organizada ocorre através de um governo centralizado.
O objetivo principal da política é alcançar uma sociedade ideal na visão coletiva.
A significância política do invidíduo é medida a partir de sua adequação à coletividade.
Altruísmo é uma virtude do estado, embutida nos programas do estado.
A soberania dos indivíduos é diminuída em favor do estado.
Direitos a vida, liberdade e propriedade são submetidos aos direitos coletivos determinados pelo estado.
Cidadãos são como crianças de um governo parental.
A relação do indivíduo em relação ao governo deve lembrar aquela que a criança possui com os pais.
As instituições sociais tradicionais de matrimônio e família não são muito importantes.
O governo inchado é necessário para garantir justiça social.
Conceitos tradicionais de justiça são inválidos.
O conceito coletivista de justiça social requer distribuição de riqueza.
Frutos de trabalho individual pertencem à população como um todo.
O indivíduo deve ter direito a apenas uma parte do resultado de seu trabalho, e esta porção deve ser especificada pelo governo.
O estado deve julgar quais grupos merecem benefícios a partir do governo.
A atividade econômica deve ser cuidadosamente controlada pelo governo.
As prescrições do governo surgem a partir de intelectuais da esquerda, não da história.
Os elaboradores de políticas da esquerda são intelectualmente superiores aos conservadores.
A boa vida é um direito dado pelo estado, independentemente do esforço do cidadão.
Tradições estabelecidas de decência e cortesia são indevidamente restritivas.
Códigos morais, éticos e legais tradicionais são construções políticas.
Ações destrutivas do indivíduo são causadas por influências culturais negativas.
O julgamento das ações não deve ser baseado em padrões éticos ou morais.
O mesmo vale para julgar o que ocorre entre nações, grupos éticos e grupos religiosos.
Como tudo na vida, o aceite de crenças tem consequências. No caso do aceite das crenças esquerdistas, consequências incluem:
Dependência do governo, ao invés de auto-confiança.
Direção a partir do governo, ao invés da auto-determinação.
Indulgência e relativismo moral, ao invés de retidão moral.
Coletivismo contra o individualismo cooperativo.
Trabalho escravo contra o altruísmo genuíno.
Deslocamento do indivíduo como a principal unidade social econômica, social e política.
A santidade do casamento e coesão da família prejudicada.
A harmonia entre a família e a comunidade prejudicada.
Obrigações de promessas, contratos e direitos de propriedade enfraquecidos.
Falta de conexão entre premiações por mérito e justificativa para estas premiações.
Corrupção da base moral e ética para a vida civilizada.
População polarizada em guerras de classes através de falsas alegações de vitimização e demandas artificiais de resgate político.
A criação de um estado parental e administrativo idealizado, dotado de vastos poderes regulatórios.
Liberdade invididual e coordenação pacífica da ação humana severamente comprometida.
Aliás, eu acho que Rossiter esqueceu de consequências adicionais como: (15) Aumento do crime, devido a tolerância ao crime, e (16) Incapacidade de uma base lógica para que a sociedade sequer tenha condição de julgar o status em que se encontra.
Por que a mente esquerdista é uma patologia?
Para Rossiter, a melhor forma de avaliar a mente do esquerdista é a através dos valores que ele tem, e os que ele rejeita. Mais:
Como todos os outros seres humanos, o esquerdista moderno revela seu verdadeiro caráter, incluindo sua loucura, nos valores que possui e que descarta. De especial interesse, no entanto, são os muitos valores sobre os quais a mente esquerdista não é apaixonada: sua agenda não insiste em que o invidívuo é a principal unidade econômica, social e política, ele não idealiza a liberdade individual em uma estrutura de lei e ordem, não defende os direitos básicos de propriedade e contrato, não aspira a ideais de autonomia e reciprocidade autênticas. Ele não defende a retidão moral ou sequer compreende o papel crítico da moralidade no relacionamento humano. A agenda esquerdista não compreende uma identidade de competência, nem aprecia sua importância, e muito menos avalia as condições e instituições sociais que permitam seu desenvolvimento ou que promovam sua realização. A agenda esquerdista não compreende nem reconhece a soberania, portanto não se importa em impor limites estritos de coerção pelo estado. Ele não celebra o altruísmo genuíno da caridade privada. Ele não aprende as lições da história sobre os males do coletivismo.
Rossiter diz que as crianças não nascem com este “programa”, que é adquirido especialmente durante o aprendizado escolar. Em resumo: um adulto, competente para operar em uma sociedade de liberdade organizada, na maior parte das vezes adquire estes valores dos pais e da família, mas um esquerdista radical não.
Basicamente, o esquerdismo pode ser caracterizado como uma neurose, baseada nos traumas do relacionamento com a família durante o desenvolvimento da personalidade. Sendo uma neurose de transferência, ela compreende as projeções inconscientes das psicodinâmicas da infância nas arenas políticas da vida adulta. É o resultado de uma falha no treino da criança nos elementos psicodinâmicos básicos de um adulto, competente para viver em uma sociedade de liberdade organizada. (Obviamente, um esquerdista jamais irá reconhecer as “fendas” em seu desenvolvimento de criança até um adulto)
Rossiter nos diz mais:
Sua neurose é evidente em seus ideais e fantasias, em sua auto-justiça, arrogância e grandiosidade, na sua auto-piedade, em suas exigências de indulgência e isenção de prestação de contas, em suas reivindicações de direitos, em que ele dá e retém, e em seus protestos de que nada feito voluntariamente é suficiente para satisfazê-lo. Mais notadamente, nas demandas do esquerdista radical, em seus protestos furiosos contra a liberdade econômica, em seu arrogante desprezo pela moralidade, em seu desafio repleto de ódio contra a civilidade, em seus ataques amargos à liberdade de associação, em seu ataque agressivo à liberdade individual. E, em última análise, a irracionalidade do esquerdista radical é mais aparente na defesa do uso cruel da força para controlar a vida dos outros.
Agora fica mais fácil entender por que os esquerdistas são tão frustrados e raivosinhos em suas interações, não?
Os cinco déficits principais do esquerdista
Um esquerdista apresenta, segundo Rossiter, cinco principais déficits, cada um mais evidente nas diversas fases do desenvolvimento, desde os primeiros meses após o nascimento, até a entrada da fase adulta.
Confiança básica: O primeiro déficit relaciona-se a confiança básica. Isto é, a falta de confiança nos relacionamentos entre pessoas por consentimento mútuo. Por isso, o esquerdista age como se as pessoas não conseguissem criar boas vidas por si próprios através da cooperação voluntária e iniciativa individual. Por isso, colocam toda essa coordenação nas mãos do estado, que funciona como um substituto para os pais. Se a criança não consegue conviver com os irmãos, precisa de pais como árbitros. Este déficit inicia-se no primeiro ano de vida. As interações positivas de uma criança com a mãe o introduzem a um mundo de relacionamento seguro, agradável, mutuamente satisfatório e a partir do “consentimento” entre ambas as partes. Mas caso exista um relacionamento anormal e abusivo na infância, algo de errado ocorre, e essa aquisição de confiança básica é profundamente comprometida. Lembremos que a ingenuidade é problemática, mas o esquerdista é ingênuo perante o governo, que tem mais poder de coerção, enquanto suspeita dos relacionamentos humanos não abitrados pelo governo.
Autonomia: Após os primeiros 15 meses, uma criança começa a incorporar os fundamentos de autonomia, auto-realização, assim como fundamentos de mutualidade, ou auto-realização (assim como realização dos outros). A partir dessa fase, a criança começa a agir por si própria para ter suas necessidades satisfeitas, de acordo com aqueles que cuidam dela. Junto com a ideia de autonomia, surgem ideias como auto-confiança, auto-direção e auto-regulação. A criança “mimada”, que cresce dependente do excesso de indulgência dos pais é privada das virtudes de auto-confiança e auto-controle e de atitudes necessárias para cooperação com os outros.
Iniciativa: No desenvolvimento normal, esta é a capacidade de se iniciar bons trabalhos para bons propósitos, sendo desenvolvida nos primeiros quatro ou cinco anos da vida de uma criança. No caso da falta de iniciativa, há falta de auto-direção, vontade e propósito, geralmente buscando relacionamentos com os outros de forma infantil, sempre pedindo por condescendência, ao invés de lutar para ser respeitado. Pessoas como esta personalidade normalmente assumem um papel infantil em relação ao governo, votando para aqueles que prometem segurança material através da obrigação coletiva, ao invés de votar naqueles comprometidos com a proteção da liberdade individual. A inibição da iniciativa pode ocorrer por culpa excessiva adquirida na infância, surgindo, por instância, do completo de Édipo.
Diligência: Assim como a iniciativa é a habilidade de iniciar atos com boas metas, diligência é a habilidade para completá-los. A criança, no seu desenvolvimento escolar, se torna apta a completar suas ações de forma cada vez mais competente. Na fase da diligência, a criança aprende a fazer e realizar coisas e se relacionar de formas mais complexas com pessoas fora de seu núcleo familiar. A meta desta fase é o desenvolvimento da competência adulta. É a era da aquisição da competência econômica e da socialização. Nessa fase, se aprende a convivência de acordo com códigos aceitos de conduta, de acordo com as possibilidades culturais de seu tempo, de forma a canalizar seus interesses na direção da cooperação mútua. Quando as coisas não vão muito bem, surgem desordens comportamentais, uso de drogas, ou delinquência, assim como o surgimento de ações que sabotam a cooperação. A tendência é a geração de um senso de inferioridade, assim como déficits nas habilidades sociais, de aprendizado e identificações construtivas, que deveriam ser a porta de entrada para a aquisição da competência adulta. Atitudes que surgem destas emoções patológicas podem promover uma dependência passiva comportamental como uma defesa contra o medo diante das relações humanas, vergonha, ou ódio.
Identidade: O senso de identidade do adolescente é alterado assim que ele explora várias personas, múltiplas e as vezes contraditórias, na construção de seu self. Ele deve se confrontar com novos desafios em relação ao balanço já estabelecido entre confiança e desconfiança, autonomia e vergonha, iniciativa e culpa, diligência e inferioridade. Esta fase testa a estabilidade emocional que foi desenvolvida pela criança, assim como sua racionalidade, sendo de adequação e aceitabilidade, superação de obstáculos, e o aprofundamento das habilidades relacionais. O desenvolvimento desta identidade adulta envolve o risco percebido de acreditar nas instituições sociais. O adulto quer uma visão do mundo na qual possa acreditar. Isto é especialmente importante se ele sofreu formas de abuso anteriormente. Sua consciência ampliada de quem ele é facilita uma integração entre suas identidades do passado e do presente com sua identidade do futuro. Nesta fase do desenvolvimento o jovem pode ser vítima das ofertas ilusórias do esquerdismo. É a fase “final” da escolha.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Oswaldo Cruz e o mercado


(Texto publicado no jornal Correio Popular - Campinas, 2/10/15, p. A2)

Oswaldo Cruz e o mercado

Marco Milani*

No início do século passado, o médico sanitarista Oswaldo Cruz promoveu uma campanha de caça aos ratos objetivando a erradicação da peste bubônica na cidade do Rio de Janeiro. Os cidadãos que capturassem e entregassem os animais seriam recompensados financeiramente. Não tardou para que alguns identificassem uma nova oportunidade de negócios e passaram a criar ratos para vendê-los ao Governo. A criação foi considerada ilegal e seus responsáveis foram presos.
A intenção de Oswaldo Cruz era a de dizimar os ratos por motivos de saúde pública, porém, ao remunerar a caçada, incentivos não previstos agiram no sentido contrário e estimularam a procriação dos roedores.
Uma grande lição econômica exemplificada nesse episódio no Rio de Janeiro é que não se pode prever e determinar o comportamento do ser humano, o qual é criativo e tem interesses variados. Apesar de quase evidente, esse aspecto da imprevisibilidade é recorrentemente ignorado por governantes com viés intervencionista, os quais sucumbem à tentação de interferir artificialmente no funcionamento do chamado “mercado”.
Ora, mercado é justamente o ambiente no qual os indivíduos manifestam voluntariamente seus interesses e expectativas para a oferecimento e aquisição de produtos. É no mercado que os agentes econômicos, que em última instância são os indivíduos, interagem. Quanto mais o Governo intervir e regular o seu funcionamento, maiores as possibilidades de interações ineficientes e ineficazes, impactando negativamente toda a economia.
Lamentavelmente, o descaso com os fundamentos econômicos baseados na livre iniciativa e nas condições para o aumento de produtividade e competividade, além da crença distorcida de que o Governo deveria determinar quais setores e grupos de pessoas seriam privilegiados para estimular o desenvolvimento econômico, contribuíram para a situação em que nos encontramos hoje.
Após mais de uma década de equivocadas políticas econômicas que corroeram a base de desenvolvimento deste País, os pífios resultados colhidos não surpreendem. Sob a orientação ideológica que prezou mais o discurso ilusório do que os fatos, o Brasil perdeu o bonde da história e agora enfrenta sérias dificuldades para adotar medidas emergenciais para a recuperação econômica.
As vantagens artificiais oferecidas pelo Governo a alguns empresários, em detrimento dos demais, foram feitas com a esperança de que determinados setores liderassem o processo desenvolvimentista. Os fatos desmascararam essa pretensão irreal. Igualmente, financiamentos subsidiados a governos estrangeiros com a justificativa de que isso favoreceria empresas brasileiras é outra tentativa de subverter a lógica do mercado. Deve ser a competitividade a guiar a escolha de contratos e não interesses questionáveis.
Que os formuladores de políticas se lembrem que os agentes econômicos reagem a incentivos e oportunidades e que o livre mercado tem muito mais a contribuir para o desenvolvimento econômico do que governantes intervencionistas conseguem prever.
          O Brasil precisa de um Estado menor, menos inchado e com governantes que defendam a livre iniciativa com base na inovação e competitividade.


* Economista. Pós-doutor pela Universidade de Salamanca (Espanha). Professor da Unicamp.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Imagine - Greek Version


IMAGINE
(Greek version)

Imagine there's no debt
It's easy if you try
No creditors charging us
Above us only sky
Imagine all the Greek people
Living only for today

Uh hu uhuhuuu

Imagine there will be no tomorrow
It isn't hard to do
Nothing to buy or sell here
And no money too

Imagine all the people
Living by begging

Uh hu uhuhuuu

You may say, I'm deceived
But I'm not the only one
61% of people are with me
And the Drachma will be back soon

quinta-feira, 2 de julho de 2015

A tragédia que não é só grega


A tragédia que não é só grega

Marco Milani*

Publicado no Jornal Correio Popular (Campinas), 02/07/15, p. A2

Os mercados financeiros do mundo sentem os reflexos da difícil situação econômica grega, uma vez que é a moeda comum, adotada por 19 países europeus, que será afetada diretamente pelo desenrolar dos fatos.
A deterioração das contas nacionais não é um fenômeno recente. Nos últimos cinco anos o Produto Interno Bruto da Grécia recuou cerca de 25%, aliado aos aumentos significativos da dívida pública e da taxa de desemprego. Os últimos pacotes de auxílio econômico recebidos estavam condicionados ao esforço de ajustes fiscais necessários, porém com forte resistência popular.
Em 2015, a Coligação da Esquerda Radical venceu as eleições ao governo grego baseada em promessas socialistas que se distanciam, em muito, da realidade. Não é possível recuperar a economia do país e permanecer na Zona do Euro sem cortes profundos nos gastos públicos e isso segue a óbvia noção de que não se pode continuar gastando mais do que se arrecada.
Na lógica socialista do primeiro-ministro Alex Tsipras, entretanto, isso é ilusoriamente possível. Basta os credores continuarem emprestando sem garantia alguma de que receberão esse dinheiro de volta. Se os credores se recusarem a fornecer novos empréstimos, então estará caracterizado que eles são opressores capitalistas que querem prejudicar o povo grego.
Para não assumir a inviabilidade de suas promessas de campanha, Tsipras transfere a responsabilidade de se continuar ou não na Zona do Euro à população por meio de um referendo.
Na história, é comum que países enfrentem crises econômicas e procurem solucioná-las escolhendo caminhos nem sempre semelhantes entre si, experimentando erros e acertos. Os diversos planos econômicos que tivemos no Brasil na década de 1980 até chegarmos ao Plano Real, em 1994, são exemplos gravados na memória de muitos cidadãos.
Em todas as soluções, porém, está presente o componente político. Caso a orientação ideológica dos líderes do Governo não favoreça a adoção de medidas racionais e viáveis, então o discurso fantasioso e populista agravará ainda mais o problema e servirá de justificativa para medidas intervencionistas na economia.
O desafio a ser enfrentado pelo atual governo grego é o reconhecimento de que sem a austeridade fiscal a situação ficará pior, pois não haverá recursos externos para suprir as próprias necessidades internas. Portugal e Irlanda vivenciaram, recentemente, momentos em que também tiveram que optar por um futuro economicamente mais equilibrado por meio de ajustes fiscais no curto prazo.
A contradição entre o utópico e o real insiste em desnudar propostas calcadas em modelos sociais economicamente inviáveis.
Se a Grécia não participasse da Zona do Euro, certamente sua crise teria repercussão bem menor nos integrados mercados financeiros do planeta. Tal situação, entretanto, serve de alerta para todos os países que elegem governantes baseados em falaciosos discursos sociais descomprometidos com os fundamentos econômicos e que tentam culpar, de maneira escapista, o ambiente externo pelos problemas internos.

* Economista. Pós-doutor pela Universidade de Salamanca (Espanha). Professor da Unicamp.


Fonte: Jornal Correio Popular, 02/07/15, p. A2

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Brasil sem rumo - pela ex-petista Marta Suplicy


Brasil sem rumo

Marta Suplicy

Folha de S. Paulo 26/06/15 – p.A2

Degringolou. Quem leu as notícias desta semana percebeu que a forma como a economia descarrilhou não tem mais "Judas" ou Cristo que dê jeito. A falta de credibilidade da presidente, a desmoralização das lideranças do PT e do governo se consolidou e a tragédia econômica para os brasileiros é real.
Que o Brasil estava em dificuldades já se percebia antes das eleições. O que ninguém esperava era esse mergulho, sem freio, e a aceleração irresponsável na escuridão da recessão.
No momento em que o Banco Central revisa a projeção para a inflação de 2015 de 7,9% para 9% e temos a notícia que a estimativa do PIB passou de 0,5% para retração de 1,1%, é nítido que estes resultados são consequência dos últimos anos do governo Dilma e já indicam que o fundo do poço ainda está longe. O fundo não dá nem para ver. As expectativas se evaporaram. E no mundo da economia é o "acreditar" que vale. Não se percebem sinalizações positivas em nenhuma área.
Em maio, a indústria nacional fechou mais de 60 mil postos de trabalho. Na Bahia, a Ford colocou em interrupção temporária de trabalho seus 3.000 empregados e todas as montadoras do ABC planejam férias coletivas para julho.
Desde janeiro as grandes redes fecharam 45% a mais de empregos com carteira assinada do que no mesmo período do ano passado.
O fator mais perverso da política econômica de aplicação açodada e que já resvala para o messianismo do "vai melhorar" é o emprego que já conta com 43% a mais de vagas fechadas, número do Cadastro Geral de Empregos. Estudiosos apontam para taxa de desemprego de 9% até dezembro. Com isso, a intenção de consumo das famílias recuou 23,8% em menos de um ano.
A intenção de investimentos dos empresários, apurada pela CNI, andou para trás em 35%. Os estoques já chegam a 36,5% da produção.
A inadimplência nas contas de luz saltou 13,9% em maio em relação ao mesmo mês de 2014. Não se vislumbra melhora –o BC já corrigiu para 43%, o percentual de aumento na energia até o fim do ano.
A Selic aumenta sem parar, e o Banco Central anuncia que a taxa de juros do crédito atingiu 57,3%. Recorde. A arrecadação de impostos está no mesmo nível que se tinha em 2003. Lá se foram 12 anos.
O Ipea aponta que estamos no pior momento da economia nos últimos anos. Não se sabe quando sairemos do atoleiro no qual a presidente Dilma nos colocou. "Os volumes mortos", como diz Lula, podem se abraçar e admirar a obra.
Poderiam ter o bom senso de fazerem o "mea culpa" e permitirem que um novo momento se instale e nos atrele a outro rumo. O Brasil clama por uma perspectiva que aponte um novo caminho a seguir.



quinta-feira, 25 de junho de 2015

Greece could be forced to lock down savers’ cash


Greece could be forced to lock down savers’ cash as debt crisis worsens

Athens could impose capital controls, limiting the amount that savers can withdraw from their accounts and curbing transfers of money overseas

Greece’s central bank has issued the clearest warning yet that the country is on course to default on its sovereign debt at the end of the month and crash out of the single currency, while finance ministers across Europe also confirmed they are making contingency plans for a messy ending to the crisis.
Athens is due to repay €1.6bn to the International Monetary Fund on 30 June but will be unable to do so unless its creditors release a €7.2bn bailout payment before then.
Talks between Greece and its eurozone and IMF creditors over a “cash-for-reforms” deal have stalled, with the country’s Prime Minister, Alexis Tsipras, accusing the creditors of “pillaging” the country over the past five years.
“Failure to reach an agreement would …mark the beginning of a painful course that would lead initially to a Greek default and ultimately to the country’s exit from the euro area and, most likely, from the European Union,” the Bank of Greece said in a statement.
“Striking an agreement with our partners is a historical imperative that we cannot afford to ignore,” it added.
The central bank said some €30bn in deposits have fled the Greek financial system since last October as Greek savers shift their money ahead of a possible exit from the euro.
The German Finance Minister, Wolfgang Schäuble, told a parliamentary hearing in Berlin that his government is making contingency plans in the event of Grexit.
“We are prepared for all eventualities” said the Dutch Finance Minister, Jeroen Dijsselbloem, in the Hague. The Chancellor, George Osborne, also confirmed that the UK has stepped up planning to deal with the economic fallout.
If Greek defaults, the European Central Bank could cut off its support to the Greek financial system, forcing Athens to impose capital controls, limiting the amount that savers can withdraw from their accounts and curbing transfers of money overseas. When imposed in other countries, such controls have prompted queues outside bank branches as people try to remove as much cash as possible, and wider turmoil in financial markets as foreign investors realise they cannot pull their money out.
It would be a short step from there to Greece imposing its own parallel currency and becoming the first country to exit the eurozone since it was established in 1999.
However, an EU official said that non-payment to the IMF on 30 June by Greece might not be deemed a technical default, suggesting creditors might be preparing to create more time for the two sides to reach a deal.
In a sign of how relations have collapsed, the President of the European Commission, Jean-Claude Juncker, accused Athens of effectively lying to its own people about reforms being pushed by Brussels. “I am blaming the Greeks [for telling] things to the Greek public which are not consistent with what I’ve told the Greek Prime Minister,” he said.
However, The Austrian Chancellor, Werner Faymann, struck a more conciliatory tone in Athens. “For Europe to be stronger, it must show solidarity and support to any country which needs it” he said during a meeting with the Greek President Prokopis Pavlopoulos. For his part, Mr Tsipras said he was prepared to say “the great no” if that was what was necessary to prevent the continuation of their “catastrophic” austerity policies he Eurogroup of finance ministers is set to meet in Luxembourg in what had previously been billed as Greece’s last chance to secure a deal. Now officials are reported to be preparing for an emergency summit of eurozone heads on 21 June.
The Bank of Greece spelled out how economically disastrous it would be domestically if the country left the euro. “All this would imply deep recession, a dramatic decline in income levels, an exponential rise in unemployment and a collapse of all that the Greek economy has achieved over the years of its EU, and especially its euro area, membership,” it said.
“From its position as a core member of Europe, Greece would see itself relegated to the rank of a poor country in the European South.”.